Maestro Jovelino Lima

 
“A minha esposa foi a maior incentivadora de minha carreira artística.”
Maestro Jovelino Lima 
 
PERFIL – Maestro Jovelino Lima
 
O maestro arapiraquense, Jovelino Lima, nasceu em Arapiraca/AL no dia 28 de julho de 1936.  Ele sempre foi apaixonado por música, identificando logo cedo sua aptidão para as notas musicais, no bairro Cavaco.
 
Discípulo do (saudoso) maestro Nelson Palmeira, na adolescência costumava cortar folhas de abóbora para construir instrumentos de sopro improvisados, com os quais conseguia executar os primeiros acordes musicais da música “Asa Branca”, sucesso do saudoso e inesquecível  Luiz Gonzaga, “O Rei do Baião”. Ficava contente por conseguir emitir aqueles sons. Nessa época costumava escutar as apresentações ao vivo de artistas, que eram acompanhados por um excelente acordeonista, nas emissoras “Tupi”,”Tamoio” e “Nacional” do Rio de Janeiro.
 
A audição destes programas foram as suas primeiras grandes influências para seguir a sua vocação de músico. Ele deixava de trabalhar na roça para escutar as rádios, e sempre era repreendido por seu pai ou por sua mãe dizendo: “Desliga isso, preguiçoso. Vá pra roça trabalhar!”.
 
O PRIMEIRO INSTRUMENTO
 
Aos 14 anos criou coragem e decidiu enfrentar o pai fazendo a proposta para que lhe comprasse uma sanfona. O seu pai parou, meditou, examinou-o dos pés á cabeça, pegou um cinturão e foi logo lhe dizendo: “Olhe aqui a sanfona!”. Diante da negativa de seu pai, Jovelino propôs para ele que queria plantar fumo. seu pai lhe respondeu que ele era muito novo para aquele serviço. Ainda com medo da rigidez de seu pai, Jovelino fez mais uma proposta: “Então o senhor me dê meia tarefa de terra”. E foi prontamente atendido. O objetivo não era outro senão comprar um instrumento musical, com o lucro, no final do ano.
 
Anos depois foi formada a Banda de Música de Arapiraca, cuja sede ficava a uma distância de 3 quilômetros de onde Jovelino morava e os ensaios eram realizados á noite. Seus pais não permitiam que ele participasse dos ensaios da Banda. Um dia a Banda de Música foi tocar no bairro Cavaco, onde ele residia, Jovelino assistiu e ficou fascinado com aquela apresentação.No dia seguinte foi novamente conversar com o seu pai: “Pai, se possível, compre um clarinete pra mim”. a resposta foi imediata: “Isso que você tá pedindo é coisa pra malandro”. Jovelino arriscou e fez uma contra-proposta: “Então agora eu quero uma tarefa de terra”. E novamente foi atendido.O menino Jovelino convidou o seu primo, Abílio Ventura, e foram escondidos dos pais até a sede da Banda para verem se havia possibilidade de ingressarem para estudarem música. 
 
Chegando na sede falaram com o maestro e professor,  Nelson Palmeira, que os atendeu e pediu que levassem um caderno com exercícios. Após um mês de aprendizado o seu primo desistiu e ele continuou. Nas horas vagas solfejava dentro do quarto.No fim daquele ano, vendeu a sua safra de fumo. Depois de pagar as suas contas, ainda sobrou Cr$ 4.200 (quatro mil e duzentos cruzeiros). Informou ao fundador da Banda de Música, vereador José Lúcio de Melo que iria comprar um pistom. Uma semana depois comprou o instrumento musical.  A aprendizagem de solfejo estavam bem adiantadas. Depois de três meses de manuseio com o pistom, Jovelino já estava integrado na banda. Sendo sempre incentivado e elogiado pelo maestro, Nelson Palmeira, por sua desenvoltura musical, ele participou de inúmeras apresentações por todo o Estado, e mais tarde trocou o pistom por um sax-tenor. 

 

O HINO DO ASA

As suas primeiras composições foram “Prece a São João” e “Nordeste Diferente”, ambas gravadas por Zé do Rojão. Depois a convite do presidente do ASA (Agremiação Sportiva Arapiraquense), musicou uma letra do professor Pedro de França Reys, com arranjo de Lourival Oliveira. Esta música tornou-se o Hino do ASA. Este hino foi gravado pelo cantor pernambucano de frevo, Claudionor Germano.

FREVOS

Em 1967 Jovelino compôs o frevo de rua “Palmeirão”, para o Carnaval de 1968, homenageando seu primeiro professor de música, o maestro Nelson Palmeira. Com a ajuda do maestro pernambuco Lourival Oliveira, responsável pela orquestração da música, conseguiu classificar a composição, em uma competição de frevo, entre as 18 finalistas.

Já próximo ao carnaval, ouvindo a “Rádio ‘Gazeta de Alagoas'”, no programa “Manhãs Brasileiras” do (saudoso) radialista Edécio Lopes, Jovelino teve o prazer de escutar a sua música.

O maestro Lourival Ferreira veio a Arapiraca, convidado por Jovelino Lima, trazendo de presente um pacote de partituras musicais. Lourival disse a Jovelino que aquelas partituras era a base para que ele formasse a sua própria orquestra.

Jovelino arregimentou cinco músicos e formou a orquestra, realizando memoráveis Carnavais no Jaraguá Tênis Clube, Iate Clube Pajuçara e ASPLANA. Participou de mais de vinte eventos promovidos pela Organização Arnon de Mello, incluindo os tradicionais Banhos de Mar á Fantasia. Realizou também muitos Carnavais em Arapiraca/AL, Barreiros/PE e em diversos bairros de Maceió/AL.

 
 
 
CARNAVAL TEMPERATURA
 
Em 1975 gravou um disco carnavalesco com sua orquestra, em  Recife/Pe. Desse álbum fizeram sucesso em todo o Nordeste as músicas “Tchau, Meu Bem”, de Jovelino, e “Saramandaia”, de Lourival. Em seguida ele gravou mais sete vinis, intitulados “Carnaval Temperatura. Depois dois LPs de puro forró, com o título de “Boca de Forno”. De sua autoria solo possui gravadas os seguintes frevos: “Palmeirão”, “Tchau, Meu Bem”, “Folia da Ilusão”, “Chá de Chuchu”, “Maceió”, “Índio Não Sabe Falar” e “Meninas, a Festa Acabou”.
 
Em parceria possui gravados os frevos: “Doce Demais”, com Sabino Romariz e “Morena Pernambucana”, com Vicente Rodrigues e Edson Melo. Jovelino também gravou dois forrós: “Pra Lá e Pra Cá” e “Nosso Guerreiro”.
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
 
Maestro Jovelino Lima é Tema de Bloco Carnavalesco
Por Roberto Gonçalves
 
O bloco carnavalesco “Turma da Rolinha” será a grande atração do Carnaval 2006 em Maceió e tem como principal tema-enredo uma homenagem ao maestro Jovelino Lima, um dos principais nomes da música de Arapiraca/AL.
 
[ Fonte: “Jornal ‘Alagoas em Tempo'”, 14 a 20/11 de 2005 ]
 
 
Letra do Hino
Letra: Prof. Pedro de França Reys
Música: Maestro Jovelino José de Lima
 
Na terra dos marechais, um clube esportivo se destaca. Pelo valor de seus craques, o ASA DE ARAPIRACA
O seu pendão alvi-negro, içai com garbo varonil, conquistando sempre vitórias, sob os céus deste Brasil.
Oh! craques da esportiva, o ASA Gigante tornai. Com bravura e galhardia, ide avante. Lutai! Lutai!
Oh! ASA da minha terra, aos píncaros da glória voai, e aos vossos admiradores, os loiros da vitória legai.
Orgulhoso e altaneiro, o ASA sempre de pé, ficará nas páginas da história, da “Terra de Manoel André”.
 
[ Editado Por Pedro Jorge / E-mail: pjorge-65@hotmail.com  ]
 
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
 
CONTATOS  – 
Celular: (82) 9991.9954
Residencial: (82) 3530.1945.
 
 
Anúncios

2 Respostas para “Maestro Jovelino Lima

  1. MAESTRO VOCÊ É UM DOS EXEMPLOS QUE NOS ORGULHA EM ARAPIRACA.PORQUE DE HUMILDE FULMICULTOR PARA GRANDE MAESTRO, VC É UM GRANDE EXEMPLO PARA NOSSOS JOVENS ARAPIRAQUENSES,QUE A MÚSICA É UMA SAIDA PARA QUE O SER HUMANO CRESÇA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s