Alexandre Tito, “O Aleijadinho de Alagoas”

BIOGRAFIA – Alexandre Tito

Alexandre Tito foi um dos melhores artistas do Brasil, ficou conhecido na década de 1970 como “O Aleijadinho de Alagoas”, um homem simples e de um grande caráter.

Nasceu no dia 18 de abril de 1927, na cidade de Ouro Branco/AL, antigo Olho d’Água do Chicão e chegou em Arapiraca/AL no ano de 1951. O Escultor Alexandre Tito era originário de uma família humilde. Foi motorista de caminhão e de automóvel de aluguel, durante vários anos. Ensinou Educação Artística, entre 1978 e 79 para cegos, surdos e mudos, na escola de alfabetização do antigo MOBRAL.

Foi pai de nove filhos, avô de 35 netos e bisavô de 6 bisnetos. Nos últimos anos de sua vida, já aposentado, e com apoio de amigos e apreciadores de seu trabalho artístico, continuou produzindo diversas obras de arte, somente por encomenda, porque não já dispunha de saúde perfeita.

As suas obras de maior destaque foram:
* Trevo (Arapiraca/AL);
* Cristo do Goiti e Índia Nua (ambas em Palmeira dos Índios/AL).

[ Fonte: http://www.orkut.com ]

Nota: Carecemos de fonte sobre a data de falecimento do genial artista Alexandre Tito, “O Aleijadinho de Alagoas”.

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

ÍNDIA NUA / A Estátua Que Gerou Polêmica

A estátua que foi esculpida para embelezar um pequeno logradouro público gerou, em 1988, a maior polêmica na cidade, principalmente entre as mulheres mais idosas do Município, que acharam a estátua imoral.

O escultor Alexandre Tito, filho natural de Ouro Branco/AL e radicado em Arapiraca/AL, foi contratado pelo prefeito José Helenildo Ribeiro Monteiro para esculpir uma estátua, que lembrasse a lenda de Palmeira dos Índios, escrita pelo escritor e historiador Luiz B. Torres, a qual denominava de “A Cidade do Amor”.

O jovem escultor de posse da lenda começou a pensar como a esculpiria. De tanto imaginar, seu cérebro o levou a Praça de São Pedro, em Roma, onde nela são encontradas as maiores obras de Leonardo da Vinci. Lembrou-se de que este escultor italiano se tornou famoso, porque esculpia o nu. Então porque não o imitar e esculpir Txiliá (índia xucurú/karirí) como veio ao mundo.

Esculpi-la em pé, sentada ou de cócoras começou a atormentar o escultor arapiraquense. Optou pela última posição, pois é mais tradicional entre os aborígines. Não perdeu tempo e em apenas dois meses estava pronta a melhor estátua que esculpiu em toda a sua vida como escultor.

Imaginou um belo jardim, onde existia uma lagoa (açude do goiti) e no meio dela uma grande pedra e sobre ela, colocou Txiliá de cócoras olhando o infinito e para tornar mais bonito o cenário, imaginou ela se banhando (chafariz) com as águas desta lagoa. Mais uma vez ele foi feliz na sua imaginação.

No dia da reinauguração, quando a população compareceu em massa para prestigiar a administração municipal, alguém gritou: “A índia está nua e seu sexo está de fora”. Pronto, a beleza da obra se tornou um martírio para as mulheres: “O seu sexo é tão quanto bonito quanto o da índia? Será que você, quando está nua, é tão bonita quanto à índia?”. Com isso, a Praça se tornou o ponto de encontro da garotada, dos homens, principalmente os mais idosos, que iam até lá tentar lembrar os velhos tempos.

Uma coisa é certa. É um dos logradouros mais bonitos da “Princesa do Sertão Alagoano”. Vale a pena conferir.

Nota: A estátua da Índia Nua foi feita de bronze.

[ Fonte: http://www.carpil.org.br ]

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

CRISTO DO GOITI -1

Cristo de Goiti, em Palmeira dos Índios/AL: Beleza de Alagoas Não Está só no Litoral

Após a inauguração do Cristo Redentor (Rio de Janeiro/RJ) em 1931, foram construídos mais de 200 nestes moldes pelo País. Na Cidade alagoana de Palmeira dos Índios, o Cristo de Goiti, de cerca de 24 metros de altura, existe desde o ano de 1979.

A subida até o Cristo de Goiti, considerado pela Prefeitura como um dos principais pontos turísticos do Município, é também um passeio alternativo às piscinas naturais do belo litoral de Alagoas. Ele localiza-se no topo da Serra do Goiti, a mais de 500 ms de altitude, cuja área era conhecida pela grande quantidade de goitizeiro ou oitizeiro (oiti é o fruto desta árvore-símbolo da região Nordeste). É uma das maiores atrações turísticas do Município. O acesso pode ser de carro.

[ Fonte: edmojunior.wordpress.com ]

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

CRISTO DO GOITI – 2

Cristo do Goiti: A Atração da Semana Santa em Palmeira dos Índios
Por Berg Morais ( 30 de março de 2010 )

Turistas de todos os cantos do Brasil vão até o interior de Alagoas conhecer um dos mais destacados e visitados pontos turísticos do nosso Estado na semana santa: o Cristo do Goití.

Localizado no alto da serra do Goití em Palmeira dos Índios, município situado no coração do Estado e a 135 km de Maceió, o Cristo do Goití, é destacado pela sua beleza, onde abraça e abençoa seus visitantes. Quem visita o Cristo do Goití, desfruta de prazerosas e inúmeras belezas que são vistas a mais de 950 metros de altura.

O Cristo do Goití foi construído em 24 de março de 1976 na administração do Prefeito José Duarte Marques, que contou com o apoio do Bispo Diocesano Dom Otávio Aguiar e do Escritor Luiz B. Torres. Em dezembro de 1987, o escultor arapiraquense, Alexandre Tito, concluiu a estátua do cristo e o então prefeito Helenildo Ribeiro a entregou a população.

Com vinte e dois metros de altura, o terceiro maior monumento do Brasil ficou com a cabeça muito grande, desproporcional ao corpo, ficando assim como a estátua mais desproporcional do mundo.

Do alto da Serra do Goití, podemos avistar a praça do açude, a casa de Graciliano Ramos (hoje museu), a catedral diocesana, o Estádio Municipal Juca Sampaio, além de toda a Cidade que é conhecida como “Princesa do Sertão”.

[ Fonte: cadaminuto.com.br ]

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Foto

História das Artes Plásticas em Arapiraca – 1

As artes plásticas tiveram um grande impulso em solo arapiraquense. Já em 1956, José de Sá realizou uma exposição individual na Câmara de Vereadores, com paisagens, pinturas sacras e acadêmicas. Mas foi sobretudo a partir da década de 1960 que o movimento artístico desenvolveu-se com mais intensidade.

Em outubro de 1967, esse movimento viveu o seu zênite com a realização do 1º Salão de Arte de Arapiraca. O evento ocorreu durante as festas da Emancipação Política da Cidade e na inauguração do Real Hotel. Esse 1º Salão de Arte, que foi um grande acontecimento artístico e impulsionou de maneira notável a cultura de Arapiraca. Contou com a participação de Ismael Pereira (O idealizador), Zezito Guedes, Izabel Torres, José de Sá, ALEXANDRE TITO, Mauro Jorge, Chico Artes e Sebastião Ferreira (“Bibi”). A mostra coletiva reuniu pinturas, desenhos, esculturas em madeira e gesso de diversos estilos e nas mais variadas técnicas.

[ Fonte: http://www.wikialagoas.al.org.br ]

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

História das Artes Plásticas em Arapiraca – 2

Quem vai a Arapiraca/AL não pode deixar de conhecer as obras dos seus artistas. Zezito Guedes, escultor, folclorista e escritor, trabalha com madeira, pedra e ferro, inspirado em motivos populares. É autor dos livros “Cantigas das Destaladeiras de Fumo” e “Arapiraca Através do Tempo”.

Destacam-se também:
* Jozias Saturnino Silva, pintor e entalhador;
* José de Sá, ator e pintor;
* ALEXANDRE TITO, escultor, pintor e poeta popular;
* Júnior Borges, pintor;
* Benedito Luiz, artesão;
* Francisco Alexandre, pintor;
* Saturnino João, escultor e zabumbeiro;
* José Almir, artesão de couro;
* Fernando Lima, pintor;
* Ismael Pereira, pintor que participou de várias exposições individuais e coletivas, inclusive no exterior, entre outros.

[ Fonte: http://www.cnm.org.br ]

[ Editado por Pedro Jorge  / E-mail: pjorge-65@hotmail.com ]

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

ÁLBUM DE FOTOS

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

ALEXANDRE TITO, “O ALEIJADINHO DE ALAGOAS”
Por Pedro Jorge*

O prolífico escultor, artista plástico e poeta popular Alexandre Tito (in memoriam), foi um dos melhores artistas alagoanos de todos os tempos. Ele nasceu, em 18 de abril de 1927, na cidade de Ouro Branco (AL) e radicou-se no município de Arapiraca (AL), em 1951. Tito era originário de uma família humilde e foi pai de nove filhos. exerceu a profissão demotorista de caminhão e de automóvel de aluguel, durante vários anos. Ensinou Educação Artística no período de 1978 a 79 para deficientes visuais, cegos, surdos e mudos no antigo MOBRAL (Movimento Brasileiro de Alfabetização).

Devido aos seus importantes trabalhos artísticos, Alexandre Tito, ficou conhecido como “O Aleijadinho de Alagoas”. As suas obras de maior destaque foram as seguintes: Cristo do Goiti e Índia Nua (ambas, em Palmeira dos Índios-AL); e a Folha de Fumo no trevo do município de Arapiraca-AL, a “Capital do Agreste Alagoano”.

CRISTO DO GOITÍ
Após a inauguração da estátua do Cristo Redentor no Rio de Janeiro (RJ), em 12 de outubro de 1931, foram construídos mais de 200 nestes moldes pelo Brasil. Na cidade de Palmeira dos Índios, o Cristo de Goiti existe desde o ano de 1979. Localizado no alto da Serra do Goití na “Princesa do Sertão Alagoano”, o Cristo do Goití, era destacado pela sua beleza. Quem a visitava desfrutava de prazerosas paisagens. A construção foi iniciada no dia 24 de março de 1976 na administração do prefeito, José Duarte Marques, que contou com o apoio do bispo Diocesano, Dom Otávio Aguiar, e do escritor, Luiz B. Torres.

Em dezembro de 1987 o escultor arapiraquense, Alexandre Tito, a concluiu na gestão do então prefeito, Helenildo Ribeiro.

Com 22 metros de altura é o terceiro maior monumento do Brasil. O Cristo do Goití ficou com a cabeça muito grande, desproporcionalmente ao corp: ficando como uma das estátuas mais desproporcionais do mundo. A subida até o Cristo de Goiti, considerado pela Prefeitura como um dos principais pontos turísticos do município. Ele localiza-se no topo da Serra do Goiti, a mais de 500 metros de altitude, cuja área era conhecida pela grande quantidade de goitizeiros ou oitizeiros. O acesso pode ser feito de carro. Do alto da Serra do Goití, pode-se avistar a praça do açude, o Museu Graciliano Ramos, a Catedral Diocesana, o Estádio Municipal Juca Sampaio e toda a cidade.

considerado pela Prefeitura como um dos principais pontos turísticos do município.

O projeto do Cristo do Gotí nasceu, em um clube de liderança chamado de CAJUP (Câmara Júnior Palmeira dos Índios), sob a presidência do Dr. Geraldo Ribeiro. Teve sua obra iniciada no ano de 1976 e inaugurada, em 1979. Foi o principal cartão postal de Palmeira dos Índios e era visitado todos os dias por turistas de toda parte que se encantavam com a sua beleza.

Em 2018, a Prefeitura tem a meta de revitalizar este Patrimônio Cultural de Palmeira para que todos (as) os visitantes possam desfrutarem deste importante ponto turístico da “Princesa do Sertão Alagoano”.

ÍNDIA NUA
A Índia Nua foi esculpida para embelezar um pequeno logradouro público gerou, em 1988, a maior polêmica na cidade de Palmeira dos Índios principalmente entre as mulheres mais idosas do município, que acharam a estátua imoral. O escultor, Alexandre Tito, foi contratado pelo prefeito, Helenildo Ribeiro, para a esculpir uma estátua, que lembrasse a lenda de Palmeira dos Índios, escrita pelo escritor e historiador Luiz B. Torres, a qual denominava de “A Cidade do Amor”.

O jovem escultor de posse da lenda começou a pensar como a produziria. De tanto imaginar, ele lembrou das obras artísticas de Leonardo da Vinci (1452-1519). Lembrou-se que este genial escultor italiano se tornou famoso, porque esculpia o nu. Então porque não o imitar e esculpir Txiliá (índia Xucurú/Karirí) como veio ao mundo. Esculpi-la em pé, sentada ou de cócoras começou a atormentar o escultor alagoano. Em apenas dois meses, ele a esculpiu na Praça Açude. É um dos logradouros mais bonitos da “Princesa do Sertão Alagoano”.

Foi o principal cartão postal de Palmeira dos Índios, visitado todos os dias por turistas de toda parte que se encantavam com a sua beleza. O nome foi dado pelo fato da localização do Cristo ser no alto da Serra do Goití, onde existiam goitizeiros e oitizeiros. O projeto teve o total apoio dos palmeirenses. Em 2018, a Prefeitura irá revitalizar este Patrimônio Cultural de Palmeira para que todos (as) os visitantes possam desfrutarem deste importante ponto turístico da “Princesa do Sertão Alagoano”.

  • É
Anúncios

4 Respostas para “Alexandre Tito, “O Aleijadinho de Alagoas”

  1. não sei pra que a crítica, mesmo que seja desproporcional ela vai sempre representar uma obra de arte. deveriam valorizar mais, mostrando fotos de tudo que ele foi capaz de criar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s