Cartuxo Cordelista

Valdemir Ferreira ( Cartuxo ) e sua afilhada, Raíssa

 
“Meu maior objetivo é investir na literatura de cordel ensinando os jovens a valorizar o conhecimento da região, e a receptividade das pessoas tem sido muito boa, sobretudo as crianças. Quero ver os jovens lendo coisas boas, ao invés de assistir a programas como Big Brother e a Fazenda, que deturpam os valores da nossa sociedade.” –  (Cartuxo Cordelista)
[ Fonte (frase): Jornal “Tribuna Independente”, 31/01/201 ]
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

BIOGRAFIA – Por Pedro Jorge

Valdemir Ferreira, conhecido como “Cartuxo Cordelista”, é filho de D. Flora (costureira ) e do saudoso Sr.Emídio ( mecânico ). Passou toda a sua infância e adolescência na rua Boa Vista e atualmente reside na rua Estudante José de Oliveira Leite, centro de nossa metrópole.

Começou a trabalhar aos 11 anos de idade vendendo picolés; aos 13 entregava botijões de gás.  Antes de ingressar no Banco do Brasil – onde trabalhou de 1981 a 1997, lecionou Matemática na Escola Hugo Lima  e trabalhou em uma empresa multinacional de benefciiamento de tabaco.

Valdemir é casado com D. Zélia, é pai de quatro filhos e avô de João Vinícius.

São 70 cordéis produzidos e conta com a assinatura dos desenhos e ilustrações das capas de Paulinho da Julita, que reside em Girau do Ponciano/AL. Cartuxo do Cordel continua na luta pela realização de seu sonho de ver os seus cordéis publicados, dando assim a sua contribuição para o crescimento cultural de todos nós. Ele é um grande divulgador da Literatura de Cordel, que nasceu em Portugal e se tornou popular aqui no Nordeste brasileiro, ajudando a ensinar, durante décadas, o nordestino a ler.

Atualmente a sua meta é conseguir um patrocinador que esteja interessado em divulgar esta belíssima e importante arte popular.

FRAGMENTOS / Leia  fragmentos de alguns dos principais cordéis do Cordelista Cartuxo:

1. “O Maior Abandonado”
 
O que eu fiz na minha vida / Para poder viver assim ?
Meus filhos me jogaram num asilo, / Onde sou maltratado
Sozinho e isolado / Esse será o meu fim.
 
 2. “O Pastor e o Ladrão de Galinha”
 
O Pastor chega de viagem, / Quando desce na estação
Aparece um homem correndo / Trazendo um roubo na mão
O dono vem logo atrás / Gritando: Pega ladrão!.

3. “Wanderley, o Fora da Lei”

Foi numa Cidade sem lei, / Um sujeito por nome de Wanderley
Metia medo a todos, / Não respeitava ninguém
Fazendo muita arruaça, / E querendo bater em todo mundo.

4. “Por que Dormi na Rua ?”

Eu vou contar um relato / De uma história muito triste
Que comigo aconteceu / Pois eu vou ser sincero
Nada tenho a esconder / O culpado foi meu pai e eu.

5. “O Pescador Artesanal”

Já escrevi vários temas / Mais um não poderia faltar,
O Pescador artesanal / Com toda humildade
Pois o seu mundo / É o rio e o mar.
 

6. “Capitão Teixeira e Zé da Hora”

Foi numa segunda-feira / Lá prás bandas do Parnaíba,
Que conheci Zefinha / Filha do Capitão Teixeira
Homem respeitado em toda região, / Do Agreste ao Sertão tinha muito valor
 Depois do conhecimento, / Sem um consentimento do Capitão Teixeira.
 
 7. “Benedita, a Benfeitora”
 
Foi nos idos de trinta / Que conheci Benedita,
Benfeitora de muita religião / Ajudando a todos
Com muita educação, / Fazendo sua obrigação.
 
 

CORDÉIS INFANTIS

São 8 cordéis direcionados ao público infantil, ilustrados por Paulinho da Julita, com animais de nossa fauna:

1.  O Viajante

2.  O Galo Desaforado

3.  O Grilo Motorista

4.  O pato e a Galinha

5.  O ABC dos Animais

6.  Sinfonia dos Bichos

7.  A Banda dos Bichos

8.  O Vendedor de Bananas.

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

TRIBUTO / Professor Benildo

 Os administradores do Blog Arapiraca Legal, Pedro Jorge e Gilvan Juvino,  e os poetas Eufrásio e Cartuxo Cordelista prestam um tributo, através do cordel intitulado “O Grande Mestre”, ao saudoso “Professor Benildo”.
 
O GRANDE MESTRE
Autores: Eufrásio e Cartuxo Cordelista
 
Eu vou contar uma história / Com prazer e alegria
Falando do grande “Mestre” / Doutor em Geografia
Ele já está no céu / Junto da Virgem Maria
Foi chamado por São Pedro / Para lecionar Filosofia.
 
 
Benildo foi bom aluno / Filho de Dona Yayá
Morava na Rua Quinze / Gostava de trabalhar
Ajudando o seu pai querido / Seu trabalho era soldar
Aproveitando as horas vagas / Somente para estudar.
 
 
Foi aluno aplicado / Estudava noite e dia
Era bom em Português / Lecionava Geografia
Foi aluno nota dez / Em toda prova que fazia
Os professores orgulhosos / Suas notas exibiam.
 
 
Gostava de escrever / Era bom em poesia
Desenhava a mão livre / Com muita categoria
Os alunos se admiravam / Dos mapas que ele fazia
Desenhando no quadro negro / E sua mão não tremia.
 
Sempre foi muito festeiro / Dançava com alegria
Lhes chamavam pé-de-valsa / Todo ritmo ele sabia
Quando o conjunto tocava / Era aquela euforia
No Clube dos Fumicultores / O povo lhe aplaudia.
 
 
Um dia estava em casa / Sentiu forte agonia
Foi direto para o hospital / Medir a sua glicemia
Cada dia que passava / Benildo emagrecia
Era o tal do diabetes / Que o seu corpo consumia.
 
 
Benildo antes de morrer / Sentou, chorou e rezou
Olhou para o céu e disse: / Jesus não me abandonou
Eu estou sofrendo muito / Estou sentindo muita dor
Minha hora está chegando / Foi o Pai que me chamou.
 
No dia da minha morte / Chamei por Nosso Senhor
Meu Cristo me escutou / Mandou logo me buscar
Eu não podia andar / Não tinha pernas mais não
Também perdi a visão / Comecei logo a chorar.
 
 
No dia do meu velório / Foi muito choro e aflição
Eu deitado no caixão / Mas não queria morrer
Apesar do meu sofrer / Ainda queria lutar
Cristo mandou me chamar / O que é que eu vou fazer?
 
Sua esposa chorava muito / Foi grande a emoção
Abraçada com os seus filhos / Ao lado do seu caixão
Benildo diga prá mim: / Que você não morreu não
Porque eu não suporto / A dor da separação.
 
Vou terminar essa história / Com prazer e alegria
Falando do grande “Mestre” / Doutor em Geografia
Que hoje mora no céu / Perto da Virgem Maria
Ensinando Português / E, também Geografia.
 

[ Fonte: http://cartuxocordelista.blogspot.com/ ]

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

BLOGS / Minuto Arapiraca

Maior Abandonado
Por Cartuxo Cordelista

O que eu fiz na minha vida / Para poder viver assim?
Meus filhos num asilo me jogaram / Onde sou maltratado,
Sozinho e isolado / Esse será o meu fim.

Trabalhei uma vida toda / Correndo prá lá e prá cá,
Mas nunca desmoronei / E com muito sacrifício
Na escola meus filhos coloquei, / E com a ajuda de Deus, todos eles formei.

E esse foi o pagamento / Que me dado por eles,
Nunca pensei em ficar sozinho / Hoje estou no sofrimento,
Não tenho mais ninguém / Essa dor eu não aguento.

À noite eu fico pensando / Como isso pode acontecer
Meus filhos quando eram pequenos, / Eu cantava cantiga de ninar
Aí não consigo mais dormir / O que fiz de errado prá viver assim?

Os meus filhos, / Aqui me jogaram
Também nunca me visitaram, / Os meus netos nem se fala
Minha velha foi embora (morreu) / E minhas noras me ignoram.

Meu Deus é muito maior, / Sempre estou com ele no peito
Eu não guardo rancor / Desejo sorte para todos,
Só lhes peço uma coisa / Não queiram estar onde eu estou.

Para os meus filhos / Que me abandonaram
Eu os quero muito bem, / Hoje eu estou no inferno,
Mas eu perdoo a todos / Eles não sabem o que fizeram.

Se minha velha / Estivesse viva,
Eu não estaria assim, / Mas o destino assim quis
Eu tenho que me conformar / Pois Deus tem mais para me dá.

Se você, / Tem o seu e sua mãe
Por mais idade que eles tenham / Procure ter compreensão,
Eles fizeram tanto por você / Num asilo não coloque eles não.

Já é quase meia noite / O sono está me chamando,
Vou me ajoelhar e rezar / Para poder me deitar
E amanhã se Deus quiser / Eu ainda vou me levantar.

Mas eu ainda sinto alegria / Tenho alguns amigos
Para poder prosear, / Depois vou buscar o dominó
Sentamos ao redor da mesa / Aí sim, vamos jogar.

Esse é o meu divertimento / Jogando e proseando
Olhando o tempo passar, / E todos os dias eu me pergunto
Por que os meus filhos / Não vêm me visitar?

[ Fonte:  http://minutoarapiraca.com.br/index.php/blog/cartuxo#7391  ]

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

CORDEL CONTRA O ANALFABETISMO / Por Davi Salsa ( 31/01/2010 )

Com muita criatividade e improviso, o ex-bancário Valdemir Ferreira, o “Cartuxo”, dá o exemplo de que a poesia popular nordestina – mais precisamente a literatura de cordel – pode baixar os índices de analfabetismo e melhorar o aprendizado das crianças no interior de Alagoas.

Autor de mais de 50 folhetos impressos coloridos em papel off-set, o ex-bancário intitula seu trabalho de novo cordel. Valdemir mantém a tradição do cordel antigo com versos rimados e estrofes curtas, mas está inovando o trabalho com a escolha de temas ligados à ecologia, prostituição infantil e até um cordel traduzido para a língua inglesa intitulado Travelling,- que significa viajante traduzido para a língua portuguesa-, o cordel relata com muita diversão a história de duas aves migratórias que contam suas experiências pelos Estados brasileiros por onde passaram.

“Essa foi uma maneira divertida que encontrei para incentivar o hábito da leitura entre as crianças, além de ensinar um pouco de Inglês e Geografia”, explica o cordelista. Cartuxo diz que nunca havia escrito nada ligado à literatura ou poesia. Ele conta que a ideia de produzir literatura de cordel surgiu de repente, após completar 54 anos de idade. O escritor diz que as xilogravuras são feitas pelo amigo e parceiro Paulinho da Julita, que mora na cidade de Girau do Ponciano.

Atento a importância do seu trabalho, Cartuxo reclama da falta de apoio para produzir seus livros de cordel. “Faço tudo com muito esforço e não recebo nenhuma compensação financeira por isso. Meu sonho é contar com apoio para confeccionar os livros e distribuir nas escolas”, completou.

Na Prática
O jovem Valter Plácido Santiago Júnior, 12 , que estuda na 5ª série do
Ensino Fundamental na Escola Municipal Hugo Lima, em Arapiraca,
elogia o trabalho do Cordelista Cartuxo. “Já li três livros de cordel e
achei todos bons, com histórias interessantes e divertidas”, destaca.

[  Fonte:  “Jornal  ‘Tribuna Independente'”, 31  de Janeiro de 2010 ]

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

TV & MULHER – AGRESTE / Por Lourdes Rizzatto ( 07/08/2011 )

O Cordelista Cartuxo está desenvolvendo mais um projeto cultural voltado á educação. Após lançar o ABC dos Bichos, agora ele está empenhado na Cartilha ABC que visa estimular a alfabetização com rimas.

O Ilustrador Paulinho da Julita também abraçou a causa. Para conhecer um pouco do trabalho de Cartuxo é só acessar: cartuxocordelista.blogspot.com.

[ Fonte: Jornal “Tribuna Independente”, 07/08/2011 ]

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Cordelista Arapiraquense Busca Apoio Para Publicação de Seus Versos
Por Roberto Gonçalves ( 17/08/2011 )
 
O cordelista arapiraquense Valdemir Ferreira, conhecido como “Cartuxo Cordelista” vem dedicando grande parte do seu tempo escrevendo versos em cordéis abordando vários temas, alguns polêmicos, a exemplo do tema Pedofilia colocando como foco principal os cuidados básicos para enfrentar o perigo alertando pais, professores e crianças.
 
 
Segundo o autor, já escreveu 300 títulos todos inéditos a exemplo do Maior abandonado, discriminação racial, Por que a guerra, O pastor e o ladrão de galinhas. Cartuxo Cordelista aborda outros temas com foco na literatura infantil com ilustrações como o ABC dos Bichos, ABC Infantil, Sinfonia dos Bichos, que, segundo o autor pode ser musicada para ser cantada pelo pelas crianças nas escolas.
 
Outros temas infantis destacados por Cartuxo são: Banda dos Bichos e o Vendedor de bananas. O autor reclama e lamenta da falta de apoio e incentivo dos poderes públicos em nível de Estado e Município.
 
De acordo com Cartuxo, seu trabalho já foi traduzido para o espanhol e o inglês, os títulos traduzidos a exemplo de O Pato, a Galinha e o Viajante.Explicou que recebeu convite da Biblioteca Belmonte de São Paulo e não teve como cumprir o compromisso para expor o seu trabalho por falta de patrocínio.
 
Apesar da falta de apoio e incentivo, Valdemir Ferreira, o Cartuxo não desanima e a cada dia busca mais inspiração para escrever novos temas polêmicos e atuais preservando e divulgando a cultura popular as raízes e a cultura nordestina.
 
Fonte: Roberto Gonçalves – http://www.oops.net.br, 17/08/2011.
 
[ Fonte: http://cartuxocordelista.blogspot.com/ ]
__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
INTERIOR
Ex-Bancário Publica Cartilha em Cordel Para Educação no Trânsito / Cartuxo Lança ABC Infantil Para o Trânsito ( Sinopse )
Por Davi Salsa ( 14/02/2012 )
 
Com mais de 100 trabalhos já produzidos de forma manual, o ex-bancário e cordelista Valdemir Ferreira, o “Cartuxo”, (se escreve com o xis mesmo), dá o exemplo de que a poesia popular nordestina, mais especificamente a Literatura de Cordel, pode ser uma importante ferramenta na educação de crianças e também de adultos.
 
Autor de 12 cartilhas em cordel, Cartuxo conseguiu, com recursos próprios, a publicação da cartilha “ABC Infantil Aprendendo a Respeitar a Vida”.  Na cartilha, o cordelista arapiraquense traduz em texto simples e divertido as principais lições de educação para o trânsito, incluindo as formas seguras de atravessar as ruas, obedecer e respeitar os sinais de trânsito e trafegar com bicicletas, motos e outros veículos.O escritor diz que as xilogravuras são feitas pelo amigo e parceiro Paulinho da Julita, que mora na Cidade de Girau do Ponciano/AL.
“Meu maior objetivo é investir na literatura de cordel ensinando os jovens a valorizar o conhecimento da região, e a receptividade das pessoas tem sido muito boa, sobretudo as crianças. Quero ver os jovens lendo coisas boas, ao invés de assistir a alguns programas de tevê que deturpam os valores da nossa sociedade”, comenta.
 
Ele disse que já lançou recentemente um blog para divulgar seus trabalhos. Apesar disso, Cartuxo reclama da falta de apoio para produzir seus livros de cordel. Cartuxo Cordelista pretende publicar um cordel contando a história de Arapiraca e participar da Bienal do Livro, neste ano em Minas Gerais.
 
Alfa Cordel
Cartuxo revelou, ainda, que seus trabalhos fazem parte do Projeto Alfa Cordel. A cartilha foi impressa com tiragem de 2.500 exemplares, em uma gráfica, na cidade de São Paulo. O livreto contém 16 páginas com ilustrações e textos educativos. “Estamos na semana do início do carnaval, e acredito que a cartilha pode ser aproveitada para educar crianças e, sobretudo, os adultos acerca dos cuidados para evitar acidentes e atropelamentos”, frisou o escritor, informando que o trabalho será exposto em bancas de revistas, e também nas escolas públicas e particulares.[ Fonte: http://www.tribunahoje.com/noticia/17792/interior/2012/02/14/ex-bancario-publica-cartilha-em-cordel-para-educaco-no-transito.html ]

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

C O N V I T E

FLIPOÇOS 2014 – IX Feira Nacional do Livro de Poços de Caldas-MG

Poços de Caldas, 7 de janeiro de 2014

Ilmo. Sr. Cartuxo
Prezado escritor, temos a grata alegria em convidá-lo para participar do Flipoços 2014 – Festival Literário de Poços de Caldas/MG, que será realizado de 26 de abril a 4 de maio de 2014.

Como tema principal o Festival vai abordar “A Cultura Popular na Arte da Literatura”, cujo assunto, é amplamente do seu conhecimento.

Queremos que esteja aqui em Poços de Caldas, como legítimo representante da Literatura de Cordel, cuja participação será incluída na nossa programação oficial do evento. Vamos programar para que visite escolas públicas e particulares de nosso município como o objetivo de apresentar esta riqueza que temos no Nordeste do nosso Brasil que é a Literatura de Cordel e suas manifestações culturais.

Será um prazer contar com sua presença aqui durante o período do Festival, ou seja, de 26 de abril a 4 de maio. para tanto, solicitamos que sugira á Prefeitura de seu município oferecimento de todas as condições de transportes, seja aéreo e terrestre para que o senhor possa estar entre nós. E ainda, diárias para refeiçoes.Quanto as hospedagens, nós providenciaremos, através do Festival.

Sentiremo-nos muito honrados em conatr com sua importante presença. Colocamo-nos á disposição para quaisquer informações adicionais.

Atenciosamente,
Gisele Corrêa Ferreira.

Realização: GSC – Eventos Especiais (A Grife de Sucesso em Eventos).

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Poética de ‘Cartuxo Cordelista’ o torna o único em determinado gênero da Literatura de Cordel

Cartuxo Cordelista

Poética de ‘Cartuxo Cordelista’ o torna o único em determinado gênero da Literatura de Cordel

INTERIOR – Obra leva cordelista alagoano a Poços de Caldas
Por Davi Salsa (Repórter), 30 de Março de 2014

# ‘A proezas do É’, de Valdemir Ferreira, tem dois mil versos começados com o verbo ser na terceira pessoa do presente do indicativo. Poética de ‘Cartuxo Cordelista’ o torna o único em determinado gênero da Literatura de Cordel. #

Autor de mais de 50 livretos com temas voltados, principalmente, para a educação de crianças e adolescentes, o cordelista alagoano Valdemir Ferreira, popularmente conhecido em toda a Região Agreste como “Cartuxo Cordelista”, está sendo reconhecido fora de Alagoas, com o convite para participar da 9ª edição da Feira Nacional do Livro (Flipoços), que será realizada entre os dias 26 de abril e 4 de maio, em Poços de Caldas, no estado de Minas Gerais.

Um dos trabalhos do cordelista alagoano foi o livro “As Proezas do É”. A obra de literatura popular tem dois mil versos que sempre começam com a conjugação do verbo ser na terceira pessoa do presente do indicativo.

Uma licença poética que torna o escritor o único neste gênero de Cordel em todo o Brasil, e por isso foi convidado para apresentar o trabalho e representar o estado de Alagoas no evento literário. A Feira Flipoços é a segunda mais importante do país, e este ano terá como tema “A cultura popular na arte e na literatura”. O patrono do evento será o escritor Ferreira Gullar.

A cidade mineira receberá escritores e profissionais do ramo. Entre os convidados internacionais, cinco nomes já estão confirmados para debater a literatura portuguesa e espanhola. São eles: o espanhol Eric Frattini e os portugueses Luis Miguel Rocha, Pedro Guilherme-Moreira, Joel Neto e o sobrinho de Fernando Pessoa, Luis Miguel Roza Dias. Mas o talento do cordelista alagoano tem uma particularidade que o torna uma atração bastante esperada pelos organizadores e participantes da feira literária.

Perfil
Cartuxo Cordelista é filho de uma costureira e de um mecânico. O artista passou toda a sua infância e adolescência na Rua Boa Vista e atualmente reside na Rua Estudante José de Oliveira Leite, no centro de Arapiraca.

Ele começou a trabalhar aos 11 anos de idade vendendo picolés; aos 13 entregava botijões de gás. Antes de ingressar no Banco do Brasil – onde trabalhou de 1981 a 1997, lecionou Matemática na Escola Hugo Lima e trabalhou em uma empresa multinacional de beneficiamento de tabaco (fumo).

Sua obra é extensa. São 70 cordéis produzidos em parceria com o amigo Paulinho da Julita, que reside na cidade de Girau do Ponciano/AL, e faz as assinaturas dos desenhos e ilustrações das capas de cada livro.

TRABALHO ARTESANAL – Artista Popular Sonha Ver Seus Cordéis Publicados

( Aguarde o complemento desta matéria )

Comentário:
“Gostei da matéria sobre Cartuxo Cordelista, que tal explorar mais a vida deste nosso representante na Feira Flipoços? Parabéns pela matéria”.
José Dilson Mota Souza, em 31/03/2014.

[ Fonte (link): http://www.tribunahoje.com/noticia/98214/interior/2014/03/31/obra-leva-cordelista-alagoano-a-pocos-de-caldas.html ]
__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

5 Comentários – “Cartuxo Cordelista (Convite) – FLIPOÇOS 2014”

1. João Asa Branca do forró pé de serra (24/01/2014)
Eu adorei conhecer todos vocês. Tenha uma boa noite e um forte abraço do amigo de vocês, Asa do Forró!!!

2. Pedro Jorge (24/01/2014)
Obrigado, João Asa Branca. Agradeço em nome de todos os arapiraquenses. Tudo de bom, sucesso, felicidade e luz. Abs, Pedro Jorge.

3. Margarete Malaquias (02/04/2014)
Enquanto Poços de Caldas/MG teve a honra de convidar nosso Cordelista Cartuxo, nós de Arapiraca/AL sentimos orgulho de saber que seremos representado por tão magnânimo escritor da nossa terra. O mesmo Deus que te criou esteja contigo em cada passo dado. Fico ansiosa aguardando as maravilhas que trarás para nós. Abraços!

4. Cicero Galdino dos Santos (27/04/2014)
Cartuxo vem desenvolvendo um bom trabalho poético. O cordelista apaixonado pela natureza, conhecido por muitos, hoje, seu nome tornou-se nacionalmente conhecido. Parabéns, Cartuxo por sua atuação e por representar os poetas de cordel do nordeste brasileiro na Feira de Livros de Poços de Caldas (MG).

5. Marcos Dantas (20/05/2014)
Aproveite esta sensibilidade para contar mais e mais a vida social de uma comunidade. Avante! Cartuxo.

[ Editado por Pedro Jorge / E-mail: pjorge-65@hotmail.com ]

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

FLIPOÇOS 2015

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATOS

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

VAIDADE E PRECONCEITO!
Autor: Valdemir Ferreira ( Cartuxo Cordelista )

Já fui um fazendeiro bem sucedido / Dono de muitas terras
E de gado também, / Sempre fui muito orgulhoso
Nunca dei valor ao “povo” / Também não gostei de “preto”
E de “pobre” nem se fala, / O tempo foi passando
E eu sempre gastando / Com coisas banais.

Sempre olhando para frente / Sem querer olhar para trás,
Nunca soube o que foi crise / Agora estou arruinado
Perdi tudo o que tinha / Com mulher e forró
E festa de vaquejada, / Não sei mais o que fazer
Cheguei ao fundo do poço / Hoje não tenho mais nada.

Perdi o amor dos meus filhos / E de minha mulher também
Deixando ela só em casa / Para ir atrás de mulher fora
E festa de vaquejada, / Sem dar valor a ninguém
Hoje estou arrependido / Sendo muito castigado
Pagando os meus pecados / Perante o meu passado.

Vivendo as amarguras da vida / Estou sozinho no mundo, isso me desola,
Pois do “preto” que eu não gostava / Hoje ele me dá uma esmola,
Já o “pobre” me consola / Com suas palavras bonitas
Dizendo-me por favor não desista / Pois a vida é mesmo assim
Nunca deixe o caminho bom / Para enveredar no caminho ruim.

[ Fonte: http://cartuxocordelista.blogspot.com/ ]

 

[ Editado por Pedro Jorge / E-mail: pjorge-65@hotmail.com ]

5 Respostas para “Cartuxo Cordelista

  1. Atualizei hoje o post do poeta-cordelista Cartuxo com o belíssimo texto: “Vaidade e Preconceito!”, de sua autoria, que transmite uma mensagem de que o verdadeiro amor e a humildade está acima de tudo.
    Parabenizamos o Cartuxo pelo novo visual de seu blog e por seu trabalho artístico.
    Desejamos um FELIZ ANO NOVO para o Cartuxo e para todos os seus familiares, amigos e leitores de seu portal educativo.
    Confira os novos trabalhos de Cartuxo Cordelista acessando:
    http://cartuxocordelista.blogspot.com/
    Assina:
    Pedro Jorge e Gilvan Juvino, administradores do Blog Arapiraca Legal.

  2. EU VI…
    Autor: Cartuxo Cordelista

    UM ARATU PREOCUPADO COM A EXTINÇÃO
    UMA BARATINHA-DA-PRAIA DANDO OPINIÃO
    UM CAMARÃO-BRANCO AJOELHADO NO CHÃO
    O CAMARÃO-ROSA COMPRANDO SABÃO
    E O CAMARÃO-SETE-BARBAS PASSEANDO
    VESTIDO DE MACACÃO.

    O CARANGUEJO-ARANHA TECENDO LÃ
    O CORRUPTO CORROMPENDO UMA RÃ
    A CRACA ANDANDO DE CATAMARÃ
    O ERMITÃO FALANDO EU SÓ VOU AMANHÃ
    E O GUIAMU TODO CONTENTE
    ANDANDO DE TOBOGÃ.

    UMA LAGOSTA DE SAIA CURTA
    UMA LEPA NA LABUTA
    A MARIA-FARINHA DIZENDO QUE CURTA
    O PITU DISCUTINDO COM UMA TRUTA
    E O SIRI-AZUL NO TRABALHO
    FAZENDO UMA PERMUTA.

  3. ANÁFORA
    Por Cartuxo Cordelista

    Nada de baile a fantasia / Nada de canção sem melodia
    Nada de pena à revelia / Nada de festa sem alegria
    Nada de carnaval sem folia.

    Nada de médico sem consultar / Nada de hospital sem internar
    Nada de especialista para verificar / Nada do parente poder pagar
    Nada de solução para se tomar.

    Nada de esquecer o juramento / Nada de promessa sem pagamento
    Nada de padre sem casamento / Nada de esquecer o sacramento
    Nada de querer ter arrependimento.

    Fonte: Facebook “Cartuxo Cordelista Ferreira”.

  4. FLORACIR FERREIRA (Acróstico)
    Autor: Cartuxo Cordelista (19/04/2015)

    F eliz da vida com nobreza
    L utadora com firmeza
    O rdeira por natureza
    R esponsável com beleza
    A legre com destreza
    C apaz com esperteza
    I ncansável com aspereza
    R aça sempre teve na pobreza

    F alar dos outros nunca enseja
    E mbaraço Jamais deseja
    R esistente com certeza
    R ecíproca quando esbraveja
    E legante como uma cereja
    I mpulsiva com muita pureza
    R aridade na idade parecendo uma princesa
    A dmirada por todos pela sua grandeza.

    * Este acróstico é dedicado a minha querida mãe, Floracir Ferreira, com os seus 88 anos de idade.

    Fonte: Facebook “Cartuxo Cordelista Ferreira”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s