Curió & Verde Linho

 
FRASE
“Nós artistas arapiraquenses precisamos de mais espaço para mostrarmos os nossos trabalhos artísticos-culturais. A Secretaria de Cultura e Turismo deveria nos dar mais apoio para que pudéssemos divulgar nossa arte. Reinvidicamos um espaço na Praça Marques da Silva, onde outrora sempre nos apresentamos, para que possamos continuar desenvolvendo e divulgando a autêntica arte da Embolada”
Curió ( 26/09/2011 )
 
FICHA
Nome da dupla: Curió & Verde Linho
Integrantes: Geraldo Evaristo da Rocha e Francisco de Assis Gomes
Data de formação: 1970
Local: Arapiraca/AL
Gênero: Embolada.
__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
 
CURIÓ & VERDE LINHO / Perfis Biográficos e Artísticos
Por Pedro Jorge
 A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas tocando instrumentos musicais
 
PERFIL – 1 / Curió
 
Geraldo Evaristo da Rocha, o popular Curió, nasceu na cidade de Cacimbinhas/AL no dia 20 de abril de 1949. Está radicado em Arapiraca/AL desde 1970 – ano que conheceu o parceiro Verde Linho -, formando assim a dupla de emboladores Curió & Verde Linho.
 
Currículo Artístico
 
Curió tem em seu currículo várias apresentações, ao lado de Verde Linho e de outros parceiros, em diversas Cidades de nosso País: Guatipuru, interior do Pará, Aracaju, capital do Estado de Sergipe e, em outras localidades.Ele já participou de um comercial de TV, divulgando o Fumo Coringa; Se apresentou no programa televisivo “Terreiro da Fazenda”, apresentando por Clemilda, em Aracaju/SE; Na inauguração da Rádio Gazeta FM, de Arapiraca, e em outros importantes eventos artísticos-culturais.Família Rocha

Curió é casado com Josefa Maria da Rocha, e pai de 6 filhas: Francisca Maria, Sandra Maria, Gilvaneide Maria, Míriam e Maria da Rocha. Ele é avô de 28 netos e avô-pai de Vagner da Rocha, criado por ele desde o seu nascimento.

 

PERFIL – 2 / Verde Linho

Francisco de Assis Gomes, popularmente conhecido por Verde Linho, nasceu na Cidade de Canhotinho/PE no dia de 12 de maio de 1958. Chegou em Arapiraca em 1970, ano que formou a famosa dupla de emboladores Curió & Verde Linho.

Currículo Artístico

Ao lado de Curió e de outros parceiros, Verde Linho, teve a oportunidade de se apresentar em congressos e festivais de emboladores em diversas cidades de vários estados brasileiros: Campina Grande/PB, Recife/PE, Maceió/AL, entre outras.

Família Gomes

Verde Linho é viúvo (de Marlene Francisca da Silva), pai de um filho, Cícero Francisco, e de uma filha, Eliane Vitória.

PERFIL – 3 / Curió & Verde Linho

A dupla de emboladores Curió & Verde Linho foi formada em Arapiraca/AL no início de 1970, quando ambos fixaram residência em nossa cidade: Curió vindo de Cacimbinhas/AL e Verde Linho de Canhotinho, Cidade interiorana do vizinho estado de Pernambuco.

Eles permaneceram juntos de 1970 a 1983, ano em que Verde Linho foi residir em Maceió/AL, formando na capital alagoana a dupla Verde Linho & Jaçanã e o parceiro Curió, nesta mesma época, continuou morando em Arapiraca e formou a dupla Curió & Lavandeira. Somente em 2006 eles retornaram a parceria.

Os veteranos artistas Curió (Geraldo Evaristo) e Verde Linho (Francisco de Assis) são na atualidade uma das duplas de emboladores mais famosas e respeitadas de nossa região.

Eles recentemente gravaram uma participação especial no DVD produzido por Afrísio Acácio do Acordeon, no prestigiado projeto “Cultura na Praça” – idealizado e apresentado por Afrísio Acácio todas ás segundas-feiras na Praça Luiz Pereira Lima – antiga “Praça da Prefeitura”.  A dupla de emboladores Curió & Verde Linho é uma da atrações mais constantes neste belíssimo e importante projeto cultural de nossa cidade.

[ Texto: Pedro Jorge, em 26/09/2011 ]

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

CULTURA POPULAR

Manifestantes da Cultura Popular Protestam Contra a Falta de Apoio

Violeiros, repentistas e emboladores protestaram ontem contra a falta de apoio á Cultura Popular no Município. Eles reclamaram da ausência de projetos para a divulgação dessas manifestações, que eram tidas como atrações aos visitantes e moradores, principalmente ás segundas-feiras, dia em que acontece a feira livre da cidade. Neste local esses artistas insistem em levar adiante a tarefa de cantar, em versos e prosas os valores da terra onde vivem.

João Caboclo, poeta e repentista, lembrou em versos que eles cantam “o céu, a terra, o fogo, a água e o ar” e mesmo assim não recebem o apoio devido, enquanto cantores que pouco valorizam a cultura popular, enriquecem apenas fazendo alusão nas músicas a cachorros – lembrando a conhecida banda Companhia do Pagode -,  sexo e sentimentos que tornam o homem inferior em sua própria condição de existência: traições, exposição do corpo enquanto objeto, vulgarização da mulher. “Faltam-nos convites para apresentações e apoio á divulgação de nosso trabalho”, acrescentou.

Atualmente, em Arapiraca e região, existem cerca de 45 repentistas, segundo informou José Amaro Filho, delegado da Associação dos Repentistas de Alagoas. Ele considerou que não está havendo cultivo á cultura popular e que devido a isso as manifestações folclóricas estão caindo no esquecimento. “Os artistas são desprezados, e ficam á espera de convites para apresentações, além de não disporem de espaço apropriado para a atividade artística”, considerou.

Lembranças

Para não caírem no esquecimento e deixarem de fazer o que mais sabem, violeiros, repentistas e emboladores reúnem-se todas as segundas-feiras no bar do Alexandrino, localizado na Rua Esperidião Rodrigues, centro. Neste local eles manifestam-se em demonstrações, regadas a lembranças dos tempos em que a atividade possuía reconhecimento e prestígio.

No caso dos emboladores, a atividade também vem sendo executada em praças públicas e, em alguns casos em praias, conforme informou Verde Lins. Ele disse que consegue sobreviver com as apresentações ao ar livre, através das doações dos espectadores. Na mesma situação que Verdes Lins vive Geraldo Evaristo da Rocha, conhecido popularmente como Curió. Há 28 anos ele canta em praças, como a Praça Marques da Silva, dependendo da apreciação  e doação do público. “Alguns projetos foram apresentados por nós, com a contribuição de simpatizantes, para participação em encontros da categoria e festas como a Micaraca, mas devido a falta de apoio, até mesmo do poder público, através da Secretaria de Educação e Cultura, ficamos de fora”, lamentou.

A secretária de educação, Cícera Pinheiro, assegurou que, com a abertura da Casa da Cultura, os artistas em geral poderão se utilizar do local para divulgarem a atividade cultural. Ela lembrou que existe uma segunda etapa do projeto de implantação do espaço, que consistirá na construção de uma concha acústica, na Praça Luiz Pereira Lima, destinada também para essas apresentações.

Segunda-feira passada, algumas duplas de repentistas apresentaram-se no Espaço Cultural José Barbosa Lúcio, por participação na I Primeira Semana Municipal dos Portadores de Necessidades Especiais de Arapiraca.

[ Fonte: Sem fonte e sem datação ]

[ Editado por Pedro Jorge / E-mail: pjorge-65@hotmail.com ]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s