Professor Lourenço de Almeida


                                                    

Prof. Lourenço de Almeida

 BIOGRAFIA – Lourenço de Almeida
 
Lourenço de Almeida foi autodidata (poeta, professor, prosador), alagoano, filho de Fausto Vieira de Almeida e Caetana Maria de Albuquerque, nasceu no Engenho Triunfo, distrito de Cajueiro – município de Capela em 8 de setembro de 1915, (em todos os seus documentos a data de nascimento é 3 de setembro de 1915).
 
Em virtude de fortes divergências familiares, entre os Almeidas e Albuquerques, em 1919, juntamente com seus pais, residiu na capital do estado por 4 anos, onde aprendeu as primeiras letras com sua mãe dona Caetana. Em 1923, regressou à Capela, matriculando-se numa escola isolada dirigida pela professora Francisca de Assis Maciel (“Dona Chiquinha”), ingressando no Grupo Escolar Torquato Cabral daquela cidade, no ano de 1924, no qual completou o curso primário no ano de 1929. No mês de dezembro daquele mesmo ano, empregou-se como “Almoxarife” da Usina Capricho, deixando o emprego em janeiro de 1930, por ser menor de idade, voltando a Capela, onde trabalhou de balconista em lojas e padarias.
 
No mês de março de 1931, deixou o trabalho para continuar os estudos no Colégio Paroquial, instalado pelo vigário do município de Capela, padre Joaquim de Oliveira e orientado pelo professor João Spindola, que faleceu precocemente em fins de 1931. Em meados de 1932, transferiu-se para a cidade de Quebrangulo, onde matriculou-se no Colégio Ateneu Quebrangulense, dirigido por seu cunhado, Manoel de Almeida. Durante seis meses, Lourenço de Almeida permaneceu em Quebrangulo, estudando e residindo na casa da irmã Maria José de Almeida, em fevereiro de 1933, regressou a Capela onde trabalhou na Prefeitura Municipal como auxiliar da Secretaria e Cobrador de Impostos, cargos que exerceu até abril de 1934.
 
Com o falecimento de seu pai em 04 de abril de 1934, e, estando sua mãe residindo na Cidade de Limoeiro de Anadia em companhia de sua irmã, Maria de Lourdes de Almeida desde 1932 e que era professora estadual, foi para aquela cidade, onde permaneceu até setembro do mesmo ano, retornando para a Cidade de Quebrangulo, com o intuito de continuar os estudos e ser Professor de Aritmética no Colégio Ateneu Quebrangulense. Em Quebrangulo, permaneceu até setembro de 1935, regressando à Capela, onde trabalhou até março de 1936, como balconista de um armazém de secos e molhados do Senhor José Augusto Zumba, indo desse mês em diante trabalhar na agricultura em companhia de seu cunhado Isaias Oliveira de Almeida, casado com sua irmã Margarita Palmeirinha de Almeida (“Nini”), abandonando essa atividade em 5 de setembro, face ao convite que lhe fizera seu ex-patrão José Augusto Zumba, para ser apontador da plantação de algodão da Companhia Alagoana de Fiação e Tecidos, no município de Rio Largo. Nessa função, trabalhou até 10 de outubro de do mesmo ano, por haver sido convidado pelo prefeito de Limoeiro de Anadia, Pedro Ribeiro de Castro, para ocupar o cargo de Secretário-Tesoureiro da Prefeitura Municipal daquele município, interinamente, cuja nomeação se deu em 17 de outubro de 1936, através de Ato Administrativo assinado pelo prefeito Pedro Ribeiro da Costa, de acordo com a Letra X do artigo nº 51 da Lei nº 1.240 de 17 de dezembro de 1935, e, publicado na Secretaria da Prefeitura no mesmo dia, mês e ano da sua assinatura. Em 11 de janeiro de 1937, foi efetivado no cargo, ocupando-o por nove anos consecutivos.
 
Em novembro de 1940, casou-se com a jovem limoeirense Alvacy de Souza Vieira, filha de Antonio Vieira Nunes e Amália Francisca de Souza, uma das mais prendadas senhoritas do burgo seculiar. Em 07 de agosto de 1940, nasceu-lhe o primeiro filho, José Rosival de Almeida: em 27 de outubro de 1944, nasce José Roberval de Almeida, seu segundo rebento, na cidade de Capela deste Estado de Alagoas, e, em 2 de novembro de 1945, veio residir em Arapiraca/AL, a convite de seu cunhado Valdomiro Barbosa, casado com sua irmã, Maria de Lourdes de Almeida Barbosa, com a finalidade de trabalhar para o mesmo, na Força e Luz de Arapiraca Ltda, sociedade por quotas de responsabilidade limitada, distribuidora de energia elétrica, adquirindo na ocasião 70 (setenta) cotas-partes da referida sociedade.
 
Durante o período de nove anos, que exerceu o cargo de Secretário-Tesoureiro da Prefeitura Municipal de Limoeiro de Anadia, demonstrou ser um homem de visão, espírito empreendedor, administrador público impecável, urbanizador e profundo conhecedor das finanças públicas, defensor incansável da economia municipal em benefício do progresso e desenvolvimento do Município. Com total apoio dos prefeitos e dos munícipes, urbanizou a cidade com abertura de novas ruas, aumentou a receita municipal, enlargueceu as vias de comunicação do distrito-sede com os distritos de Coité do Nóia, Junqueiro e Cana Brava (atual Taquarana) e com os povoados de Cadoz, Boqueirão, Peri-Peri e Genipapo; aumentou o número de salas de aula do Município incentivando a educação; idealizou e construiu a ponte de madeira sobre o Rio Coruripe, possibilitando a intercomunicação da cidade de Limoeiro de Anadia com as cidades das zonas do Agreste e do Sertão, apoiou integralmente a instalação da Força de Luz de Limoeiro de Anadia, iniciativa do jovem empresário Valdomiro Barbosa em 1938; ampliou o cemitério municipal, reformou a prefeitura municipal e a câmara de vereadores. A sua decisão de residir em Arapiraca muito foi sentida pelos limoeirenses, quando tiveram conhecimento de seu pedido de demissão do cargo de Secretário-Tesoureiro do Município, nos seguintes termos:“ Ilmº. Sr. Prefeito Municipal de Limoeiro de Anadia
Lourenço de Almeida, brasileiro, casado, funcionário público municipal, não desejando continuar no cargo que ocupa nesta Prefeitura, vem mui respeitosamente solicitar a V. S. se digne em lhe conceder demissão do referido cargo.
Nestes termos espera demissão.

Limoeiro de Anadia, 17 de abril de 1946.

Ass. Lourenço de Almeida”.

Lourenço de Almeida foi, quando secretário-tesoureiro da Prefeitura Municipal de Limoeiro de Anadia, acima de tudo, um batalhador incansável pelo bem –estar dos munícipes, não poupou esforços, para tornar Limoeiro em termo eleitoral, face da distância e dificuldade de transporte para a sede da respectiva Comarca, Anadia. Foram anos de lutas e viagens a Maceió, para conseguir tornar realidade o seu intento, até que em 21 de julho de 1946, o Tribunal Regional de Justiça Eleitoral, através da Resolução nº 42, assinada pelos juízes Barreto Cardoso, M. Xavier Acioli, Artur Jucá, Osório Calheiros Gato e Antonio Guedes de Miranda, nomeou o cidadão Lourenço de Almeida, preparador do termo de Limoeiro de Anadia, da 4ª Zona Eleitoral, a qual foi entregue, ao Juiz de Direito Victor M. D. Botelho, da Comarca de Limoeiro de Anadia em 2 de agosto de 1945.

Homem íntegro em suas convicções políticas, tinha em Getulio Vargas a Esperança do Brasil, e apoiava todas as decisões políticas, administrativas e econômico-financeiras tomadas pelo Ditador, e, a prova disso, é quando foi criada a COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL, com um capital de Cr$ 500.000.000,00 (quinhentos milhões de cruzeiros), dividido em 1.250.000 ações nominativas preferenciais com prioridade de dividendos de 6%, de Cr$ 200,00 (duzentos cruzeiros) cada uma, sem direito a voto, e 1.250.000 ações nominativas ordinárias de Cr$ 200,00 (duzentos cruzeiros) cada uma, foi o primeiro interiorano de Alagoas a adquirir uma ação da referida Companhia, de número 0389524, conforme Cautela nº 17.320, datada de 31 de janeiro de 1944, bem como, acreditando nas idéias do Presidente Juscelino Kubstchek de Oliveira, adquiriu 10 ações da PETROBRÁS (Petróleo Brasileiro), em nome de sua esposa Alvacy de Souza Almeida, inscrita no Livro de Acionistas preferências sob o nº p-1.181, conforme Cautelas nºs 1219 –05 (cinco) ações preferências de nºs 44811 a 44815, no valor de Cr$ 200,00 (duzentos cruzeiros)cada uma, datada de 26 de março de 1958, e, 5.943 – 5 (cinco) ações preferências de nºs 185010 a 185014, também no valor de Cr$ 200,00 (duzentos cruzeiros)cada uma, datada de 23 de setembro de 1958.

Fixando residência em Arapiraca, em 1945, nos meados de novembro, no Alto do Cruzeiro, depois na Rua XV de Novembro, no principio de 1946, em uma casa vizinha a chapelaria do Velho Chico Chapeleiro, defronte a casa do Cornélio e finalmente na Rua Nova, depois Praça Gabino Besouro e atual Marques da Silva, em finais de 1946 na casa que hoje pertence ao professor Manoel Bernardino de Oliveira, onde fundou o PTB (Partido Trabalhista Brasileiro) em Arapiraca, do qual foi o seu primeiro Presidente, ingressando dessa forma na política arapiraquense e dando total apoio ao cunhado Valdomiro Barbosa, candidato a Prefeito de Arapiraca, na Segunda-República, tendo como pilastra a união UDM/PTB, contra o candidato do PSD (Partido Social Democrático), Luiz Pereira Lima. Em uma das maiores e mais ferrenhas das campanhas eleitorais de Arapiraca, as urnas sufragaram o nome de Luiz Pereira Lima, prefeito de Arapiraca, derrotando Valdomiro Barbosa, pela diferença de 42 votos.

Na cidade de Capela deste Estado de Alagoas, em 21 de setembro de 1946, nasce o seu terceiro filho, José Roberto de Almeida. Após a campanha eleitoral, Lourenço de Almeida, restringiu-se a gerenciar e a cuidar da contabilidade de Força e Luz de Arapiraca Ltda e do Armazém Geral de propriedade da empresa mercantil Pedro Barbosa & Filhos, que se localizava na Praça Manoel André, 21, com o nome de “Armazém Brasil”, e, também começou a escrever os seus primeiros versos sem métrica e suas poesias, dentre as quais destacam-se em companhia de alguns, dos muitos de seus amigos, como João Ribeiro Lima, Antônio Lino Bereguedé, Domingos Lúcio e Valdomiro Barbosa, quando ouviram a voz de prisão dada por um sargento que comandava um pequeno destacamento do policiamento local, resistiram, e após uma breve troca de tiros, renderam-se e foram presos, exceto Valdomiro Barbosa que conseguiu evadir-se pelo fundos. Todos foram postos em liberdade dois dias depois, por ordem do então governador do estado, doutor Silvestre Péricles de Góes Monteiro, retirando-se em vista disso para a cidade de São Paulo, onde permaneceu até fevereiro de 1951, regressando a Arapiraca, continuou a trabalhar para Valdomiro Barbosa, nas firmas Força e Luz de Arapiraca Ltda e Pedro Barbosa & Filhos, conforme Registro de Empregados, nº de ordem 1, como auxiliar de escritório, com um salário de Cr$ 2.000,00(dois mil cruzeiros) mensais, para trabalhar das 7 ás 17:05h com um intervalo de duas horas diárias e uma carga horária semanal de 48h, tendo como beneficiários Alvacy de Souza Almeida e os filhos José Rosival de Almeida, José Roberval de Almeida, José Roberto de Almeida e Jaçuamin Robson de Souza Almeida, este último nascido a 30 de abril de 1954.

Por insistência dos amigos, em 1954, voltou a interessar-se pela política, candidatando-se a Vereador, pela coligação UDN/PTB, sendo eleito primeiro suplente. Mais uma vez, em 1957, por novas incidências políticas foi preso, passando 13 meses, 3 dias, 4 horas e 15 minutos na Penitenciária deste estado, acusado por crimes que não cometera e nem praticara direta ou indiretamente, sendo declarado inocente de todas as acusações que lhes eram impostas, e posto em liberdade no dia 13 de maio de 1958, pelo Colendo Tribunal de Justiça de Alagoas, em sessão presidida pelo Emérito Doutor Desembargador Osório Gatto, funcionaram no feito, como relator o Exmº Sr. Dr. Desembargador Moura Castro e como Advogado o Bacharel Antonio de Góis Monteiro. Ainda se encontrava preso quando nasceu o seu quinto e último filho Jazon Romilson de Souza Almeida no dia 28 de novembro de 1957.

Voltando à vida livre por decisão unânime da Justiça Alagoana, assumiu o cargo que lhe cabia na Câmara deste Município, por morte do ilustre vereador Benício Alves de Oliveira, continuando dessa forma na política candidatou-se no mesmo ano a Vereador pela coligação PTB/PSP, sendo eleito com elevado número de votos. Como em 31 de outubro de 1955, havia comprado uma parte de terras com 214 hectares pertencentes a Ursulino Antônio de Oliveira e Maria Glória da Conceição, assentes no Povoado Pé Leve, denominado “Santa Cruz do Limoeiro”, cujo título de compra e venda passado em nome de sua esposa Alvacy de Souza Almeida, no cartório de registro de imóveis de Município de Limoeiro de Anadia, Estado de Alagoas,transcrito às folhas 76/77 do livro 39 sob número 2.556, pelo valor de Cr$ 20.000,00(vinte mil cruzeiros), resolveu, em junho de 1959, residir no povoado da Lagoa do Pé Leve, do município de Limoeiro de Anadia, voltando a Arapiraca no ano de 1962, para se candidatar a Vereador pelo PSP, sendo eleito primeiro suplente do Partido. Durante a sua permanência no povoado Lagoa do Pé Leve, dedicou-se exclusivamente à agricultura e á agro-indústria da mandioca e da agave, e, adotou como legítima, a criança Rosileide de Souza Almeida e assumiu a tutela judiciária da menina Rosineide Maria da Silva, aquela nascida em 31 de dezembro de 1959, e esta em 24 de maio de 1958.

Dado a crise fumageira nesta região em 1963, juntamente com vários amigos, encetou a campanha pelo Cooperativismo, sob a orientação do sr, Francisco de Assis Gonçalves, então Diretor do Departamento de Assistência ao Cooperativismo, fundado em 15 de dezembro do mesmo ano a Cooperativa Agro-Pecuária e Industrial de Arapiraca Ltda (CAPIAL), sendo eleito seu primeiro Presidente, cargo que exerceu por democrática vontade dos associados durante 13 anos consecutivos. Em 1965, a convite do dr. José Moacir Teófilo, passou a dar aulas práticas de Contabilidade as três serie que compõem o Curso Técnico de Contabilidade, exercendo a função de professor de contabilidade e orientador contábil dos técnicos em contabilidade de Arapiraca e de cidades circunvizinhas até a morte, sendo, em vida, considerado como o mais completo Contador do Nordeste, dando inclusive conferencias sobre Contabilidade no Auditório da Universidade Federal do Recife. Em 1966, torna-se a candidatar-se a Vereador, sendo eleito com significante maioria de votos, graças à cooperação dos amigos e dos jovens estudantes arapiraquenses.

Lourenço de Almeida, de 1956 a 1962, dedicou-se a escrever crônicas literárias, que eram lidas por ele próprio, através do Serviço de Alto-Falante de Arapiraca, de propriedade do pioneiro em radiofonia em Arapiraca, José de Sá. Centenas de crônicas literárias foram levadas ao ar sob o titulo de “CRÔNICA DA NOITE”, duas das quais se destacaram entre muitas pelo tema que abordaram, de uma sensibilidade impecável, amizade sincera, respeito dos grandes líderes e de visão futurística.

Barbosa da Silva, Pedro Barbosa Júnior e Valdomiro Barbosa, este, seu maior acionista, com 50% (cinqüenta por cento) do capital social integralizado e sócio-controlador, Lourenço de Almeida, participava apenas com 400 (quatrocentas) ações nominativas; no exercício do cargo de vereador de Arapiraca, apresentou a Câmara Municipal mais de 450 (quatrocentos e cinqüenta) requerimentos entre Indicações, justificativas, solicitações, Protestos de Lei, além de reformular a Lei Orgânica do Município tornado-a mais moderna e atuante, e organizou o Regimento Interno da Câmara Municipal; instalou e organizou as Prefeituras Municipais de Lagoa da Canoa e Craíbas, quando de suas emancipações políticas, a pedido do então Deputado Estadual José Pereira Lúcio (“Lucinho”); aos jovens, dedicou um especial carinho educando-os e instruindo-os dentro dos preceitos de honra, moral e dignidade; como Secretário de Finanças do Município de Arapiraca, cargo que ocupou na Administração curta, porém, modernizada e dinâmica de Higino Vital da Silva, incentivou a instalação de pequenas agroindústrias fumageiras e a criação de pequenas empresas de transportes urbanos. O muito seria pouco para descrever a figura versátil por demais do Professor Lourenço de Almeida e, os arapiraquenses, por sua vez, retribuíam tudo o que recebiam de Lourenço de Almeida com carinho, respeito, cuidados e gratidão.

A Câmara Júnior de Arapiraca, em 13 de janeiro de 1973, filiada à Câmara Júnior do Brasil e Júnior Chamber Internacional, concedia ao Professor Lourenço de Almeida o Título de PROFESOR DO ANO DE 1972, por sua eficiência e dedicação comprovada; em 25 de maio de 1973, foi com Padre Oscar Gonzalez Quevedo, para participar integralmente do Centro Latino-Americano de Parapsicologia de São Paulo; em 23 de janeiro de 1974, pela sua participação ativa na formação da Biblioteca da Faculdade de Filosofia de Arapiraca, o Diploma de Honra; pela sua participação atuante no Clube de Mães de Arapiraca, recebe em 19 de novembro de 1977, das mãos da Presidente do Clube Maria Aparecida da Silva, o Diploma de Honra ao Mérito, entre inúmeras outras honrarias, como “A SALA PROFESSOR LOURENÇO DE ALMEIDA”, no Grupo Hugo José Camelo Lima.

Lourenço de Almeida, morreu aos 62 anos, moço ainda, mas foram longos os seus dias. Bebedor sadio; bebia todos os dias, porém, não bebia o dia todo; tabagista consciente e inveterado; baixa estatura e constituição fraca; boêmio, que preferia as noites para o seu entrosamento com os jovens pelos bares da vida, filosofando e orientando; frequentador assíduo do Cine Trianon, que inclusive possuía cadeira cativa, e, na noite do dia 06 de dezembro de 1977, assistindo a um filme no Cine Trianon, foi vítima de uma trombose cerebral, chegando a desmaiar, imediatamente levado com cuidado, carinho e respeito pelos amigos que interromperam a projeção para socorrê-lo, à Casa de Saúde e Maternidade Nossa Senhora de Fátima, sendo prontamente socorrido pela equipe médica de alto porte comandada pelo Dr. José Fernandes. No dia 07 de dezembro chega a Arapiraca vindo do Recife acompanhado de um neurologista, o Dr. José Roberto de Almeida, terceiro filho de Lourenço de Almeida e médico gastroenterologista, achou por bem levá-lo para a cidade de Recife/PE onde teria melhores e mais modernos tratamentos; Internado no Hospital da Clínicas, Lourenço de Almeida é submetido a uma série de exames e medicado, ficando internado até o dia 15 de dezembro quando recebeu alta.

Regressando a Arapiraca, com uma paralesia parcial no lado esquerdo submeteu-se a uma fisioterapia caseira. Porém, a radiografia do tórax em PA e Perfil revelou um processo enfizematose em instalação e a imagem cardio-áortica dentro do limite da normalidade. Sem um tratamento adequado para a enfizematose em instalação revelada pela radiografia tirada no dia 8 de dezembro, em Recife, devido à debilidade física e outras causas secundárias, o problema agravou-se de maneira brutal, de tal forma, que em 6 de janeiro de 1978, o Professor Lourenço de Almeida foi levado às pressas para a Casa de Saúde e Maternidade Afra Barbosa, do Dr. Djacy Correia Barbosa, com surtos, problemas respiratórios. Com o passar dos dias os problemas respiratórios foram se agravando cada vez mais, até que em, 30 de janeiro de 1978, ao cair da tarde entre amigos e familiares, ao canto do Hino “DEUS DE PAZ E DE AMOR”, falecia em meus braços o homem que em vida atendia pelo nome de LOURENÇO DE ALMEIDA, MEU PAI.

Fonte:
Câmara Municipal de Arapiraca.
Site Oficial:
www.cma.al,gov.br
 
Pesquisa:
Blog Arapiraca Legal
Contato.
E-mail: blogassociado1@live.com
 
 
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s